“Que a importância de uma coisa, não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros… Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós”. 

 (Manoel de Barros)

 

Vamos Brincar com a Lia de Itamaracá!!

Foto: Bruna Costa/Esp.DP FOTO

Maria Madalena Correia do Nascimento, conhecida como Lia de Itamaracá, é uma dançarina, compositora e cantora de ciranda brasileira. É considerada a mais célebre cirandeira do Brasil.

 

 Vou contar um pouco sobre a minha identificação com o Brincar. 

Quando eu era criança morava com minha família em uma casa de dois cômodos. Como nós éramos muito pobres e eu tinha mais três irmãos, nunca tínhamos brinquedos destes comprados em loja. Mas se você acha que a gente não brincava, está enganado. Nós inventávamos nossos brinquedos!

É sim! Brincávamos de ciranda, de cabra-cega, mãe da rua, e tantas outras. Eu e minha irmã mais nova, a Lúcia, não tínhamos bonecas, então, nós pegávamos as meias do meu pai e enchíamos com outros tecidos, amarrávamos uma parte da meia de maneira que ficasse menor para fazer a cabeça da boneca, e a parte maior seria o corpo, assim nós criávamos as nossas bonecas.

Tem uma prima minha, a Luci, que quando nós éramos pequenas eu e minha irmã íamos na casa dela e lá tinha muito barro, ai nós fazíamos panelinhas de barro. Era só pegar um pouquinho de barro, molhar o suficiente para ficar uma pasta como de modelagem, e fazer uma bolinha, furar a bolinha para modelar as panelinhas e pronto, deixar secar um pouco pra poder brincar. Isso quem me ensinou foi minha mãe Maria, que assim como eu nasceu em Serra Talhada no Estado de Pernambuco.

Você sabia que existem muitas brincadeiras no mundo todo em que as crianças criam tudo!!

Hoje nós vamos brincar. Eu vou deixar aqui algumas brincadeiras que eu conheço e que são muito populares no Brasil, e se você perguntar para sua mãe ou pai, ou até mesmo para a vó ou o vô quais brincadeiras eles lembram, você vai ver que sempre tem uma brincadeira que eles guardam na memória e que eles gostavam muito de brincar.

Você pode brincar com todos da família, eu espero que você e todos se divirtam muito. Você pode escolher qual vai brincar, e pode brincar com todas!

Brincadeiras:

Continue a história

Essa brincadeira precisa de mais de duas pessoas. Você vai pegar uma folha de papel e vai escrever: Era uma vez… escreva três linhas da história que você tem em mente, mas não fale para ninguém, em seguida dobre a folha para esconder o que você escreveu e passe para a pessoa seguinte, que deverá escrever três linhas da continuação da história, mas sem ler o que você escreveu. Cada pessoa vai escrevendo e dobrando o papel para a pessoa seguinte não ver, a folha vai ficar igual um leque. Quando você quiser pode escrever o final da história, faça umas três rodadas da escrita para ficar uma história boa de ler. Nenhum dos participantes pode falar o que está escrevendo. No final você abre a folha e lê a história feita por todos. Usem a imaginação!

 Ciranda:

A Ciranda é uma manifestação popular composta por canto e dança. De mãos dadas formamos um círculo e vamos girando e cantando uma música.

Existem muitas músicas que você pode cantar com a ciranda, vou enviar três:

Minha Ciranda
Lia de Itamaracá

Minha ciranda não é minha só
Ela é de todos nós
A melodia principal quem
Guia é a primeira voz

Pra se dançar ciranda
Juntamos mão com mão
Formando uma roda
Cantando uma canção

 

Ciranda Cirandinha

Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar

Vamos dar a meia volta

Volta e meia vamos dar

 

O anel que tu me deste

Era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.

 

Se esta Rua fosse minha

Se esta rua, se esta rua fosse minha,

Eu mandava eu mandava ladrilhar

Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhantes

Para o meu, para o meu amor passar

Nessa rua, nessa rua tem um bosque

Que se chama, que se chama solidão

Dentro dele, dentro dele mora um anjo

Que roubou, que roubou meu coração

Se eu roubei, se eu roubei seu coração

Tu roubaste, tu roubaste o meu também

Se eu roubei, se eu roubei seu coração

É por que, é por que te quero bem.

 

O Grupo Palavra Cantada tem uma Ciranda dos Bichos, vamos ver e brincar também?

https://www.youtube.com/watch?v=H9fXoZmMHK8

E neste vídeo a seguir, tem uma variedade de brincadeiras que você pode fazer em casa, aproveita esse tempo e usa a imaginação e criatividade!

https://www.youtube.com/watch?v=y9wJoaUuCqE

Se puder, faça um vídeo e envie no meu e-mail.

Documentário sobre a importância do Brincar:

https://www.youtube.com/watch?v=EWdqEGA55Mc

 

Para saber mais:

Sobre Lia de Itamaracá:

https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/viver/2020/05/biografia-de-lia-de-itamaraca-e-costurada-pela-trajetoria-da-ciranda-e.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lia_de_Itamarac%C3%A1

 

Sobre o Brincar:

Segundo Henri Wallon na Teoria da Emoção, a construção do conhecimento se dá pela afetividade.

O processo de construção do indivíduo ocorre juntamente com a construção da realidade, sendo que, a qualidade de vida afetiva da criança é fator determinante no seu processo de aprendizagem.

Pensando nisso o Brincar é parte fundamental no desenvolvimento da criança pois exige dela a articulação de soluções, enquanto brinca a criança se utiliza de instrumentos de: atenção, memória, pensamento e fala.

https://novaescola.org.br/conteudo/264/0-conceito-de-afetividade-de-henri-wallon?gclid=CjwKCAjwr7X4BRA4EiwAUXjbtwBv3H7Bfo9EHYuKrOMOBF5Avn-9uuCL_8RGZFuQgjpkSt3Q5PvfPRoCXz4QAvD_BwE

https://revistaeducacao.com.br/2018/04/04/brincadeira-fundamental-desenvolvimento-crianca/

Sobre a Ciranda:

“A bibliografia sobre o tema é escassa e, no que diz respeito a Pernambuco, até a década de 1970 restringia-se a apenas dois autores, Jaime Diniz e Evandro Rabello. De acordo com o periódico Diário de Pernambuco (23.2.1980), Jaime Cavalcanti Diniz “foi considerado o maior pesquisador pernambucano de música erudita, pesquisou ilustres músicos pernambucanos, e é o descobridor da ciranda”. Nascido no dia 1o de maio de 1924 em Água Preta, formou-se em filosofia pelo Seminário de Olinda (PE), e em teologia no Seminário Central do Ipiranga, em São Paulo, publicando diversos trabalhos sobre música. ”

https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tecap/article/view/10176/7946

 

Este material foi elaborado pela professora de Arte: Xicâ G Lima, da Prefeitura de Suzano-SP. Com a pesquisa sobre o tema a partir das citações acima.

Deixe um comentário